segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A abordagem teórica nos escolhe ou nós a escolhemos???

Essa é uma pergunta muito comum dentro da Psicologia, principalmente em recém formados que bombardeados por tantas abordagens e informações contraditórias e desencontradas, acabam ficando frente a frente com um grande dilema: Que orientação teórica eu vou seguir??

É muito complicado se decidir por uma abordagem teórica que não se conhece. Muitos psicólogos defendem que a abordagem teórica é que escolhe o psicólogo e não o contrario. Eu particularmente acho isso absurdo, tendo em vista que a escolha da abordagem teórica deve se basear em dados racionais e reais e não em emoção. O próprio código de defesa do consumidor diz claramente que todos os serviços oferecidos ao consumidor deve se basear em qualidade e evidencias concretas de eficiência.

Muitas abordagens teóricas não possuem um corpo epistemológico coerente ( pra não dizer outra coisa ) e dizem abertamente que não se preocupam com a ciência, e o pior, dizem fazer seu próprio modo de ciência, onde podem “provar” que suas praticas se sustentam. O grande problema é que suas praticas possuem baixíssimo grau de evidencia e quando colocadas em prova pelo método cientifico falham. Isso se aplica perfeitamente as terapias holísticas e outros métodos esotéricos. Na verdade a medicina alternativa é um conjunto de praticas que nunca foram testadas cientificamente ou que quando colocados em testes falharam completamente.

Dentro da psicologia também temos muitas abordagens que não podem ser medidas e validadas através do método cientifico tradicional. Pra ser sincero existem pouquíssimas abordagens teóricas que se preocupam em validar suas praticas em exaustivos testes em laboratório ou em estudos clínicos. Dentre as abordagens que escolheram a ciência como base, estão a TCC ( Terapia Cognitivo Comportamental ) e a AC ( Analise do Comportamento ).

Eu escolhi a Analise do Comportamento como abordagem teórica por possuir um corpo epistemológico coerente e possuir uma base que valida suas praticas com rigor cientifico. A incansável busca por métodos mais eficientes de tratamento, a busca incessantes em desenvolver melhores formas de intervenção e a constante reciclagem e validação dos seus métodos me encantaram.

Acredito que a escolha da abordagem deve ser feita por métodos racionais, o profissional deve se perguntar que tipo de trabalho ele quer fazer com seu cliente, e com isso podemos formular a pergunta: “Quero dar o melhor para o meu cliente com técnicas e procedimentos validados por inúmeros trabalhos científicos dentro de um rigor grande ou devo dar um tratamento de qualquer coisa, apenas por que eu achei interessante o modo de pensar de um teórico X ou Y ?”

A resposta pode parecer obvia, mas de fato muitos recém formados e até profissionais não conseguem responder a essa pergunta.

A verdade é que a psicologia precisa mudar urgentemente a mentalidade dos seus profissionais, escolher uma abordagem apenas por se identificar com o pensamento do teórico ou dizer que a abordagem foi escolhida por simples ponto de vista convergente, é muito grave e quem vai sofrer com isso é o futuro cliente.

Para terminar esse breve texto, gostaria de citar uma frase de um colega de profissão que sempre se faz presente nesse tipo de debate no mundo da Psicologia, ele diz :

" A escolha da teoria deveria se dar por critérios racionais. O contrário, muito louvado em alguns nichos da Psicologia, é uma falha da formação, uma herança romântica nem um pouco bem-vinda a não ser que a estética lhe interesse mais que a ética..." ( R, Junio. 2010 )

3 comentários:

João disse...

Ola Marcelo, achei muito legal a iniciativa de abordar a escolha da abordage teórica. Já tentou ver o corpo teórico de outras abordagens para nos auxiliar, até mesmo daquelas dits como "não -científica"?

Marcelo C. Souza disse...

Ola João.

Então, eu estudei as principais abordagens teóricas.

Minha formação na graduação foi praticamente toda em Psicanalise Freudiana e Lacaniana com algumas pinceladas de Adler, Jung e Klein.

Assim que sai da graduação fui estudar a TCC e tenho formação nela.
Porem, eu já tinha um pé atras com abordagens que se apoiam em explicações metafisicas para delinear as intervenções.
Com a Analise do Comportamento, pude perceber a verdadeira forma de fazer ciencia dentro da Psicologia.
Sou ousado o bastante pra dizer que a unica forma de ciencia real dentro da Psicologia vem da Analise do Comportamento e do seu braço experimental.

A TCC publica muita pesquisa tb.
Porem, abandonei o cognitivismo ao ler um artigo do Skinner maravilhoso que diz : "Por que nao sou um Psicologo cognitivista"

Recomendo essa leitura.

abraços

Pedro H. T. Siqueira disse...

Muito boa a postagem !!!!

Ele parece estar relacionada com o post do meu blog :

Mentalismo como forma de alienação.

http://criticacomportamental.blogspot.com/2010/10/mentalismo-como-forma-de-alienacao.html

Nele é discutido de que forma o mentalismo pode alienar as pessoas das explicações para seus comportamentos.


Gostei do seu texto principalmente na parte na citação, ela sintetiza muita coisa!

abração